+ Liberdade de Expressão

PNDH-3: Os direitos e as discórdias

with one comment

Da revista Cristianismo Hoje:

Atualização 02 June 2010 Por Redação2

Os direitos e as discórdias

Programa de direitos humanos do governo Lula é analisado com lupa por todos os setores da sociedade 

PNDH-3. Esta é a fórmula do governo federal para fomentar os direitos humanos no Brasil. Trata-se do terceiro Programa Nacional dos Direitos Humanos, disposto no Decreto 7.037/09, assinado no fim do ano passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entre as 25 diretrizes do documento, que lista vários objetivos estratégicos, o governo assume o compromisso de implementar políticas em diversos campos, passando pela comunicação social, pela saúde, pela educação, pelos direitos civis e mesmo pela religião. O programa prevê um total de 521 medidas, a serem incluídas em lei. 

As anunciadas boas intenções não livraram o texto de uma saraivada de críticas. Setores da sociedade taxaram de autoritário o PNDH-3, da lavra da Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH), que, com status de ministério e ligada diretamente à Presidência da República, é dirigida pelo ministro Paulo Vanucchi. Grande parte da imprensa viu no decreto uma brecha para o governo passar a exercer controle sobre os meios de comunicação social, restringindo em alguma medida a liberdade de expressão. Apesar de defender o decreto, fruto de consultas da SEDH a diversos movimentos sociais e grupos de pressão, o governo deu mostras de que poderia recuar em alguns pontos, em especial após a forte reação da Igreja Católica e dos militares. 

E, depois de dizer que pediria demissão caso o programa fosse alterado, o próprio Vanucchi anunciou que algumas medidas seriam revistas. Ele listou ao menos três: o direito ao aborto, o banimento de símbolos religiosos e a criação de comissões de conciliação no caso de invasões de propriedades privadas. “Estamos dispostos a promover correções”, disse o ministro, em março, informando que o novo texto está sendo preparado. O presidente Lula considerou exageradas as críticas ao programa. “As pessoas de vez em quando ficam querendo criar chifre na cabeça de cavalo”, disse o presidente, em janeiro. 

Mas o PNDH-3 não teve apoio irrestrito nem mesmo no âmbito do governo. Em um primeiro momento, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou a ameaçar pedir demissão, diante do imbróglio criado com os militares. A oposição da caserna à criação de uma “comissão da verdade” para esclarecer crimes de Estado durante a ditadura chegou ao ponto de um general, Maynard Marques de Santa Rosa, escrever uma carta aberta com críticas à iniciativa, classificada por ele como coisa de “fanáticos” de esquerda. Acabou exonerado, em seguida, por Jobim. Parlamentares de oposição quiseram explicações, e Jobim foi ao Senado para dizer que a  “comissão da verdade”, se criada, não se ocuparia apenas dos crimes cometidos pelo aparelho de repressão do Estado, mas colocaria luz também nas ações dos grupos de esquerda, que à época da ditadura tentavam tomar o poder pelas armas. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, também foi convocada pelos senadores para detalhar o PNDH-3, mas parlamentares governistas conseguiram derrubar o requerimento. 

Outra proposta com forte reação contrária foi a de criar comissões de conciliação, que, em um primeiro momento, impediriam ações de reintegração de posse, no âmbito da Justiça, para o caso de invasões de áreas rurais e urbanas. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) protestou. O próprio ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, declarou-se contrário à ideia.   

Estado laico – A Igreja Católica também repudiou duramente vários trechos do PNDH-3. Em especial a legalização do aborto, nele prevista. A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota rejeitando vários pontos do documento e deplorando a ideia de, em nome do Estado laico, dar fim à ostentação de símbolos religiosos em prédios da União, obrigando a remoção de crucifixos, imagens de santos e Bíblias. E assevera que o documento “descaracteriza a instituição familiar do matrimônio”. 

Várias controvérsias em relação ao programa do governo passam pela questão dos direitos civis. O PNDH-3 estabelece o objetivo de, por meio de campanhas e ações educativas, “desconstruir os estereótipos relativos aos profissionais do sexo”. E apresenta como meta a “desconstrução da heteronormatividade”, com objetivo de combater o preconceito contra homossexuais, garantindo assim o respeito à diversidade sexual. As chamadas “comunidades tradicionais”, que incluem grupos indígenas e quilombolas, são lembradas pelo documento, que defende de forma firme a manutenção de seus costumes. A promoção de direitos de crianças e adolescentes, assim como a de idosos e de pessoas com deficiência física e a de minorias étnicas também estão contempladas no PNDH-3, que consagra as chamadas ações afirmativas, para, por exemplo, garantir vagas nas universidades públicas a estudantes pobres e negros. 

Para os crentes, talvez as maiores preocupações estejam entre as diretrizes do documento no campo da religião. Todos esses pontos estão listados na Diretriz 10: Garantia de igualdade na diversidade. As intenções relacionadas à religião estão colocadas no Objetivo estratégico VI: Respeito às diferentes crenças, liberdade de culto e garantia de laicidade do Estado. Ao mesmo tempo que o texto original do PNDH-3 rejeita símbolos religiosos em órgãos públicos, defende o fomento, por meio de campanhas educativas, do respeito à diversidade religiosa. Chama a atenção o item “e”, a ser implementado pela SEDH, que prevê amplas pesquisas relacionadas à religião no país. Pelo que mostra o PNDH-3, o governo pretende ir um pouco além do que já vai ao colher informações sobre religião nos censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Quer saber, por exemplo, quantas pessoas realmente praticam as diversas religiões e quantos são somente adeptos nominais. Além disso, o governo demonstra interesse em saber o número de pessoas que já trocaram de religião. 

Os possíveis desdobramentos do PNDH-3, que deve ser implementado por meio de projetos de lei a serem enviados pelo governo ao Congresso Nacional – 28 já encaminhados –, têm levado os mais diversos setores da sociedade a debater assuntos que pareciam adormecidos. As igrejas evangélicas se mostram preocupadas em entender quais seriam os efeitos do programa em relação a um direito fundamental: a liberdade religiosa. No dia 24 de março – após o fechamento desta edição –, um seminário debateria o PNDH-3 na Câmara dos Deputados, em Brasília, com mais de 100 presidentes de denominações evangélicas. Organizado pela Frente Parlamentar Evangélica e pela Frente Parlamentar da Família e Apoio à Vida, o seminário contaria também com um representante da SEDH, que ficou de dar aos evangélicos explicações em relação às várias diretrizes do governo. 

“Em geral o programa tem muitas coisas óbvias, contra as quais ninguém é contra, mas há ali, embutida, uma visão muito ideológica da educação”, opina o bispo anglicano Robinson Cavalcanti. Para ele, o PNDH-3 não resulta de uma ação isolada do governo Lula ou do PT, mas de uma conjuntura política e cultural, que se insere em um plano maior. Cavalcanti lembra que o programa de direitos humanos de Lula dá continuidade a outros dois, do governo de Fernando Henrique Cardoso. “O PNDH-3 reflete uma ideologia internacional que domina o mundo hoje, que está na própria ONU, e os países cujas elites têm a mesma ideologia a subscrevem”, diz. Trata-se, explica, de uma agenda “secularizante e multiculturalista”, que ele classifica como um “fundamentalismo iluminista”, com epicentro na Inglaterra e nos Estados Unidos. 

O bispo afirma haver uma espécie de conflito cultural, cuja batalha não é travada no âmbito da política partidária, mas no eixo da opinião pública. “As audiências públicas que definem essas políticas são hegemoneizadas e capturadas por grupos organizados que não necessariamente refletem a opinião da sociedade”, avalia, lamentando o alheiamento dos cristãos, que, em geral, estão fora do espaço público de discussão e costumam vincular sua atuação política a interesses menores, imediatos, sem compromisso com suas convicções. Cavalcanti sublinha que o PNDH-3 carece de muitas leis regulamentadoras, o que levará todo o debate para o Congresso. 

Alguns deputados já se articulam com o objetivo de simplesmente sustar a eficácia do decreto presidencial. Assessora da Frente Parlamentar Evangélica, Damares Alves alerta que é preciso estudar o PNDH-3 com atenção, evitando o ímpeto de anulá-lo. Ela reconhece pontos positivos no projeto, mas aponta a necessidade de uma análise mais acurada. O Colégio de Bispos da Igreja Metodista do Brasil também elogiou o PNDH-3, mas fez ressalvas aos temas ligados à família, à sexualidade e à religiosidade. A íntegra do documento pode ser lida no site da Presidência da República (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7037.htm).  

Valter Gonçalves Jr 

Fonte: http://cristianismohoje.com.br/ch/os-direitos-e-as-discordias

Cristianismo Hoje – http://cristianismohoje.com.br

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] More: PNDH-3: Os direitos e as discórdias « Liberdade de Expressão II […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: