+ Liberdade de Expressão

Tirando a máscara do comunismo

leave a comment »

Jornal Opção – edição de 12 a 18 de abril de 2009 Contraponto

Ti­ran­do a más­ca­ra do co­mu­nis­mo

Irapuan Costa Junior 

No dia três des­te mês, o fi­ló­so­fo Ola­vo de Car­va­lho es­cre­veu, no “Di­á­rio do Co­mer­cio”, um ar­ti­go (“Ig­no­ran­do o es­sen­cial”) so­bre fa­ce­tas pou­co per­ce­bi­das do mo­vi­men­to co­mu­nis­ta, e a jor­na­lis­ta Eli­a­ne Can­ta­nhê­de, na “Fo­lha de S. Pau­lo”, abor­dou, na sua co­lu­na, com o tí­tu­lo “A cul­pa­da é… a em­pre­ga­da”, a in­fe­liz ini­ci­a­ti­va do de­pu­ta­do Al­ber­to Fra­ga, de con­tra­tar por seu ga­bi­ne­te a fa­xi­nei­ra de sua ca­sa. Du­as ma­té­rias com­ple­ta­men­te dis­tin­tas, na apa­rên­cia, uma es­cri­ta pe­lo fi­ló­so­fo e jor­na­lis­ta con­ser­va­dor, e ou­tra da la­vra da jor­na­lis­ta ali­nha­da com a es­quer­da mais re­vo­lu­ci­o­ná­ria. Mas as apa­rên­cias são, mui­tas ve­zes, en­ga­no­sas. Uma ma­té­ria tem mui­to a ver com a ou­tra.

Ola­vo de Car­va­lho aler­ta pa­ra al­guns as­pec­tos do mo­vi­men­to co­mu­nis­ta que es­ca­pam do de­sa­vi­sa­do ci­da­dão co­mum, em que pes­em as con­se­qüên­cias que po­de­mos, to­dos nós, vir a sen­tir, co­mo sen­ti­ram — e sen­tem — po­pu­la­ções in­tei­ras por es­se mun­do afo­ra. O pri­mei­ro as­pec­to é a sua sin­gu­la­ri­da­de: o úni­co mo­vi­men­to po­lí­ti­co, na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, a con­tar com uma or­ga­ni­za­ção em es­ca­la mun­di­al. Ape­sar da fa­lá­cia do de­sa­pa­re­ci­men­to do co­mu­nis­mo (que ser­ve mui­to bem a seus pro­pó­si­tos), ele es­tá pre­sen­te, e não só em Cu­ba, na Chi­na e na Co­réia do Nor­te, mas tam­bém na Ar­gen­ti­na, na Bo­lí­via, na Ve­ne­zu­e­la, no Bra­sil, e até na pá­tria da de­mo­cra­cia, os EUA. Ou­tro as­pec­to é a sua clan­des­ti­ni­da­de, uma de su­as ar­mas mais efi­ca­zes. Em­bo­ra exis­tam os par­ti­dos de ba­se co­mu­nis­ta (no Bra­sil, PC do B, PT, PSOL, etc.), ele­men­tos da cren­ça es­tão dis­se­mi­na­dos em ou­tros par­ti­dos, e em mui­tas ati­vi­da­des ex­tra­par­ti­dá­ri­as, sob os mais di­ver­sos ró­tu­los, se­ja no jor­na­lis­mo, se­ja nas uni­ver­si­da­des, se­ja nas igre­jas. E os agen­tes ja­mais se re­ve­lam co­mo co­mu­nis­tas, mes­mo agin­do co­mo tal, às cla­ras ou sub-rep­ti­ci­a­men­te.

Um ter­cei­ro as­pec­to é a abun­dân­cia de re­cur­sos pa­ra sua ação. Já ima­gi­na­ram o vo­lu­me de di­nhei­ro pa­ra se mon­tar um Fó­rum So­ci­al Mun­di­al? Ou pa­ra or­ques­trar uma de­mons­tra­ção con­tra a Otan, co­mo na se­ma­na pas­sa­da, em Es­tras­bur­go?

Um quar­to as­pec­to, o fa­to de ser re­co­nhe­cí­vel co­mo tal ape­nas uma par­ce­la ín­fi­ma de sua pro­pa­gan­da dou­tri­ná­ria, em­bo­ra ela in­to­xi­que di­a­ria­men­te a mí­dia e as pre­ga­ções uni­ver­si­tá­rias, go­ver­na­men­tais, re­li­gi­o­sas, par­la­men­ta­res. Exis­tem ou­tros as­pec­tos, mas va­mos fi­car ape­nas nes­tes.

Pas­se­mos ao ar­ti­go da Eli­a­ne. Sua crí­ti­ca à con­tra­ta­ção frau­du­len­ta da em­pre­ga­da do­més­ti­ca é ab­so­lu­ta­men­te per­ti­nen­te. O de­pu­ta­do Al­ber­to Fra­ga co­me­teu fa­lha gra­ve, inad­mis­sí­vel pa­ra qual­quer agen­te pú­bli­co, e se faz me­re­ce­dor de boa pu­ni­ção. Não tem de­fe­sa. Mes­mo por­que a úni­ca pu­ni­da até ago­ra (com sua de­mis­são, e daí o tí­tu­lo do ar­ti­go de Eli­a­ne) foi a fa­xi­nei­ra. Mas… e o mas, aqui, é mais im­por­tan­te que o res­to da ma­té­ria, Eli­a­ne as­sim ter­mi­na seu es­cri­to: “Ali­ás, não con­vém fi­car pa­ra brin­ca­dei­ri­nhas nes­te ca­so: o de­pu­ta­do Fra­ga, o pa­trão que não pa­ga a em­pre­ga­da, é o lí­der da ban­ca­da pró-ar­mas”.

Eli­a­ne en­che de mu­ni­ção o pai­ol de Ola­vo de Car­va­lho, quan­do cha­ma à re­por­ta­gem um as­sun­to que na­da tem a ver com ela. O mo­vi­men­to pe­lo de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção é mun­di­al­men­te pa­tro­ci­na­do pe­la es­quer­da (es­tá pre­sen­te, e for­te­men­te, até nos EUA), co­mo fór­mu­la de do­ci­li­zar as po­pu­la­ções, e im­pe­dir sua re­a­ção aos avan­ços so­ci­a­lis­tas. Faz par­te da ca­deia glo­bal que men­ci­o­na Ola­vo de Car­va­lho. Em­bo­ra os par­ti­dos mar­xis­tas apoi­as­sem aber­ta­men­te o de­sar­ma­men­to no Bra­sil, usa­ram co­mo li­nha prin­ci­pal agen­tes apa­ren­te­men­te apar­ti­dá­rios e até apo­lí­ti­cos nu­ma in­ten­sa dou­tri­na­ção, en­tran­do aí a gran­de mí­dia (Re­de Glo­bo), ONGs, par­te da Igre­ja Ca­tó­li­ca, en­ti­da­des clas­sis­tas — e eis a men­ci­o­na­da clan­des­ti­ni­da­de em ação.

Os re­cur­sos que os de­sar­ma­men­tis­tas uti­li­za­ram eram pra­ti­ca­men­te ines­go­tá­veis. Du­ran­te o re­fe­ren­do so­bre o de­sar­ma­men­to, aqui no Bra­sil, os re­cur­sos vin­dos de fo­ra pa­ra or­ga­ni­za­ções sus­pei­tas, co­mo a Vi­va Rio e a Sou da Paz, eram vo­lu­mo­sos, e eles de tal for­ma per­de­ram a ver­go­nha que nem es­con­di­am sua ori­gem.

Evi­den­ci­a­do o ter­cei­ro as­pec­to. O quar­to as­pec­to, que men­ci­o­nei aci­ma, sur­ge aqui de ma­nei­ra mais su­til. A pro­pa­gan­da que a Eli­a­ne faz, pe­los con­tor­cio­nis­mos ne­ces­sá­rios, tor­na-se pou­co re­co­nhe­cí­vel, mas fa­cil­men­te des­mas­ca­rá­vel, com um pou­co de ra­ci­o­cí­nio: 1) Fra­ga nun­ca foi pró-ar­mas. Ao acu­sá-lo de ser pró-ar­mas, ela o es­tá acu­san­do de ser a fa­vor de ar­mar a po­pu­la­ção, is­to é, in­du­zir quem não quer ou não gos­ta de ar­mas a usá-las, coi­sa que nem Fra­ga nem qual­quer de nós que so­mos con­tra o de­sar­ma­men­to ja­mais fi­ze­mos. Nós sem­pre de­fen­de­mos o di­rei­to, o ar­bí­trio, a li­ber­da­de, de quem qui­ser ter uma ar­ma pa­ra sua de­fe­sa, e de sua fa­mí­lia, de tê-la. Co­mo de­fen­de­mos o di­rei­to de não tê-la quem não qui­ser. Ao mu­dar o con­cei­to, a jor­na­lis­ta faz sua pro­pa­gan­da pou­co re­co­nhe­cí­vel da es­quer­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria, aque­la que de­se­ja uma so­ci­e­da­de de es­cra­vos pe­ran­te um Es­ta­do for­te, co­mo acon­te­ce em Cu­ba.

2) Ao jun­tar o pe­ca­do da fu­nes­ta con­tra­ta­ção ao fa­to de o de­pu­ta­do ser an­ti-de­sar­ma­men­tis­ta, a jor­na­lis­ta ten­ta con­ta­mi­nar o ato cer­to com o ato er­ra­do. Não de­sar­ma­men­tis­tas são dois ter­ços da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, co­mo mos­trou o re­fe­ren­do. Não ser de­sar­ma­men­tis­ta é, pois, se ali­nhar com a von­ta­de de­mo­crá­ti­ca do Pa­ís. Na­da de er­ra­do nis­so. Já fa­zer o con­trá­rio, co­mo fa­zem a jor­na­lis­ta e seus co­le­gas de es­quer­da, seus mi­nis­tros da Jus­ti­ça, e ou­tros in­te­gran­tes do go­ver­no, é, à so­ca­pa, fa­zer a pro­pa­gan­da do to­ta­li­ta­ris­mo.

E, pa­ra não can­sar os lei­to­res: 3) Se Fra­ga, que er­rou na con­tra­ta­ção da em­pre­ga­da, é mau exem­plo, lo­go, um não de­sar­ma­men­tis­ta é mau ca­rá­ter, co­mo quer a co­lu­nis­ta, lem­bre­mos que, na sua car­rei­ra po­lí­ti­ca de de­pu­ta­do, es­se foi o pri­mei­ro e úni­co, até ago­ra, es­cor­re­gão. Já quem se ali­nhou, com Eli­a­ne e “com­pa­nhei­ros” pa­ra de­sar­mar a po­pu­la­ção, en­quan­to se des­cui­da­va dos ban­di­dos, quem es­ta­va na li­nha de fren­te do mo­vi­men­to, quem fo­ram os pró­ce­res da pre­ga­ção, co­mo Re­nan Ca­lhei­ros, Lu­iz Eduar­do Gre­e­nhalgh, Mar­cio Tho­maz Bas­tos e ou­tros, são po­lí­ti­cos que não só es­cor­re­gam, mas fa­zem dos es­cor­re­gões um meio de vi­da.

Ser­vi­dão vo­lun­tá­ria

O ir­mão de Franklyn Mar­tins, o nos­so Go­eb­bels (mi­nis­tro da Pro­pa­gan­da de Lu­la), Vic­tor de Sou­za Mar­tins, é di­re­tor da ANP (Agen­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo), e, se­gun­do do­cu­men­tos da Po­lí­cia Fe­de­ral re­ve­la­dos pe­la “Ve­ja”, es­tá en­vol­vi­do, jun­ta­men­te com a es­po­sa, em al­ta cor­rup­ção na dis­tri­bui­ção de royal­ti­es mu­ni­ci­pa­is.

Con­tu­do, des­sa vez, a Po­lí­cia Fe­de­ral não cha­mou a Glo­bo, não pren­deu nin­guém, e o pro­ces­so es­tá pa­ra­do há mais de ano. Não há opo­si­ção no Con­gres­so. Um úni­co de­pu­ta­do ho­nes­to e de­ter­mi­na­do fa­ria um car­na­val. O bra­são do Con­gres­so de­ve­ria os­ten­tar a má­xi­ma: “Om­nia ser­vi­li­ter pro do­mi­na­ti­o­ne” (“Tu­do fa­ço, ser­vil­men­te, pe­lo po­der”).

Ali­a­do de Dil­ma Rous­seff pla­ne­jou se­ques­tro do mi­nis­tro Del­fim Net­to

An­to­nio Ro­ber­to Es­pi­no­za, ex-co­man­dan­te dos mo­vi­men­tos de es­quer­da ar­ma­da VPR (Van­guar­da Po­pu­lar Re­vo­lu­ci­o­ná­ria) e VAR-Pal­ma­res (Van­guar­da Ar­ma­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria Pal­ma­res), con­ta, em de­ta­lha­da re­por­ta­gem da “Fo­lha de S. Pau­lo” de do­min­go, 5, co­mo tra­mou, com a par­ti­ci­pa­ção de mais qua­tro “com­pa­nhei­ros”, o se­ques­tro do en­tão mi­nis­tro da fa­zen­da Del­fim Net­to, em 1969.

Um dos “com­pa­nhei­ros” era a ho­je mi­nis­tra e can­di­da­ta a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. O pla­no, de­ta­lha­do a pon­to de ter si­do apre­en­di­do mais tar­de até um ma­pa da re­gi­ão do se­ques­tro, só não foi adi­an­te, por­que al­guns “com­pa­nhei­ros” ter­ro­ris­tas fo­ram pre­sos. Dil­ma ne­gou o pla­no, di­zen­do que “não se lem­bra”. Equi­va­le ao “não sa­bia” que Lu­la sem­pre usa quan­do um de seus pró­xi­mos é pe­go rou­ban­do. É di­fí­cil acei­tar a ne­ga­ti­va da mi­nis­tra.

O pla­no exis­tiu, co­mo cons­ta dos do­cu­men­tos apre­en­di­dos e da de­cla­ra­ção, a mais in­sus­pei­ta que po­de exis­tir, pois da­da por um dos cul­pa­dos, e es­pon­tâ­nea. Se ti­ves­se su­ce­di­do, o se­ques­tro te­ria si­do um enor­me gol­pe pu­bli­ci­tá­rio pa­ra os ter­ro­ris­tas. Del­fim era po­pu­la­rís­si­mo, pois o Bra­sil vi­via o cha­ma­do “mi­la­gre eco­nô­mi­co”. Cres­cia a ta­xas pró­xi­mas de 10% ao ano, vi­via o ple­no em­pre­go e os sa­lá­ri­os es­ta­vam em al­ta.

Irapuan Costa Junior
irapuan.junior@uol.com.br

Fonte: Jornal Opção (GO) – http://www.jornalopcao.com.br/index.asp?secao=Contraponto&subsecao=Colunas&idjornal=338

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: